Amazon é acusada de despejar milhões de quilos em lixo nos oceanos

Denúncia foi feita por organização em defesa da conservação oceânica.

A organização sem fins lucrativos Oceanapublicou um relatório que acusa a gigante tecnológica Amazonde ser responsável por 210 milhões de quilos de resíduos despejados no oceano em 2019. 

Os resíduos de plástico fazem parte dos estimados 7 bilhões de pacotes da Amazon entregues em 2019.  

De acordo com o estudo, apenas a quantidade de almofadas de ar seria suficientes para dar a volta na Terra mais de 500 vezes. 

A Amazon, por outro lado, alega que o número apresentado pela Oceana seria exagerado em mais de 350%

Confira outras notícias relevantes neste “Giro dos Investidores”: 

S&P eleva rating da Azul Linhas Aéreas para CCC+ 

A agência de classificação de risco de crédito S&P anunciou, nesta segunda-feira (14), a elevação de CCC- para CCC+ a nota atribuída à companhia aérea Azul (AZUL4), com perspectiva estável.  

Governo estuda antecipar 13º salário para aposentados 

Plano, que inclui adiantar o abono salarial, está sendo tratado como uma ‘vacina’ para garantir a sustentação da retomada econômica. 

Instalações da Vale são atacadas durante protestos na Nova Caledônia 

Um incêndio foi registrado em mina e infraestrutura associada da Vale Nouvelle-Calédonie, no sul do Oceano Pacífico, em meio aos protestos realizados na região.   

Aneel aprova redução nas tarifas de Angra 1 e Angra 2 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou redução de 7,45% nas tarifas das usinas nucleares de Angra 1 e 2. A tarifa passará dos atuais R$ 269,75 por megawatt-hora (MWh) para R$ 249,64 por MWh a partir de 1º de janeiro de 2021. 

Fleury anuncia criação de centro de medicina reprodutiva 

O Grupo Fleury (FLRY3) tem como foco a diversificação de seus negócios, a ampliação de sua capacidade e o aprofundamento do uso de tecnologia.   

Mais da metade dos gestores vê Ibovespa acima de 130 mil pontos em 2021 

O otimismo dos investidores com o mercado de ações tem ganhado força nos últimos meses e já volta a patamares semelhantes aos de 2019, de acordo com pesquisa do Bank of America (BofA) com gestores de recursos da América Latina. 

Comentários