Bolsonaro passa a ser assediado por partidos

Há nove meses sem partido, o presidente da República, Jair Bolsonaro, passou a ser cortejado por siglas do cenário político brasileiro.

As promessas vão de fidelidade em votações no Congresso Nacional e controle de diretórios regionais a dinheiro para bancar sua campanha à reeleição, em 2022.

Bolsonaro admitiu o “assédio” de ao menos quatro legendas, mas disse que está conversando para decidir qual proposta aceitará.

Progressistas, o PTB e o PSL, partido pelo qual o chefe do Executivo foi eleito em 2018, confirmaram conversas com Bolsonaro, informa o portal R7.

Comentários