Brasil pode doar pele de tilápia para tratar queimaduras no Líbano

Um grupo de pesquisadores do Projeto Pele de Tilápia da Universidade Federal do Ceará (UFC) quer doar um estoque de de 40 mil centímetros quadrados de pele de tilápia.

O material seria enviado para ajudar no tratamento de queimados das vítimas da explosão no porto de Beirute, capital do Líbano.

A iniciativa é resultado do trabalho de cientistas do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), vinculado à UFC.

O curativo comum exige que se aplique uma pomada no local machucado e a troca do curativo. O material do peixe evita esse processo porque o colágeno facilita a cicatrização com a aderência à queimadura.

Caso a doação aconteça, entre 50 e 100 pessoas poderiam ser beneficiadas, destaca a revista Veja.

Comentários