CNJ arquiva pedido para investigar Moro no caso das mensagens sobre a Lava Jato

O corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Humberto Martins, determinou nesta terça-feira (11) o arquivamento de um pedido para investigar a conduta do ministro da Justiça, Sérgio Moro, em supostas mensagens trocadas com o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, o procurador da República Deltan Dallagnol. Cabe ao CNJ decidir questões sobre a conduta dos magistrados de todo o país, com exceção dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

No último domingo (9), o site The Intercept publicou uma série de reportagens que revela o conteúdo de mensagens extraídas de um aplicativo na época em que Moro ainda era juiz federal e julgava os processos da Lava Jato no Paraná. Segundo uma das reportagens, o atual ministro da Justiça orientou ações dos procuradores da República que atuavam na força-tarefa e cobrou de Dallagnol novas operações.

Humberto Martins rejeitou o pedido de investigação apresentado pelo PDT com a justificativa de que Moro não pode mais ser alvo de um procedimento do CNJ em razão de ter abandonado a carreira de magistrado.

O PDT alegou “conduta suspeita” do atual ministro da Justiça no pedido para que o CNJ investigasse a conduta de Moro nas mensagens de texto divulgadas pelo The Intercept.

“A adoção da tese de que seria possível se aplicar penalidade a juiz exonerado criaria uma situação no mínimo inusitada: o juiz pediria exoneração, cortando seu vínculo com a administração, e a instância administrativa instauraria um procedimento que, se ao final concluísse pela aplicação da penalidade, anularia a exoneração e aplicaria ao juiz a aposentadoria compulsória com proventos proporcionais”, argumentou o conselheiro Humberto Martins no despacho no qual mandou arquivar o pedido do partido.

O corregedor destacou ainda que a exoneração de Moro como juiz foi publicada em 19 de novembro de 2018 e que, a partir desta data, não é mais possível aplicar procedimentos de natureza administrativa contra ele, ainda que referente a atos supostamente praticados no período em que ainda era juiz.

“Uma vez que o presente pedido de providências configura procedimento de natureza disciplinar proposto quando o representado já não é mais juiz, por haver se exonerado, a hipótese é de falta de interesse processual, por inexistir utilidade/necessidade/adequação na pretensão deduzida, que, portanto, não pode ter seguimento”, escreveu o corregedor em outro trecho da decisão.

‘Episódio do vazamento de mensagens desgastou Moro’, diz Cristiana Lôbo

‘Episódio do vazamento de mensagens desgastou Moro’, diz Cristiana Lôbo

Esclarecimentos ao Senado

Nesta terça-feira, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou que Sérgio Moro vai comparecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa no dia 19 para falar sobre as mensagens trocadas com o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato.

Comentários