Promotor apontado por hacker como 1º alvo de invasão diz que SMS de junho contradiz depoimento de suspeito

O promotor de Araraquara (SP) Marcelo Zanin Bombardi – apontado como a primeira pessoa a ter o celular invadido no caso do vazamento de mensagens de procuradores da Lava Jato e outras autoridades – diz que recebeu em em 1º de junho uma mensagem indicando que a invasão de seu aparelho ocorreu naquela data. O suposto hacker Walter Delgatti Neto sugeriu em depoimento à Polícia Federal que o ataque a Bombardi ocorreu em março.

As invasões foram feitas por meio do Telegram. O aplicativo permite que um usuário solicite o código de acesso por meio de uma ligação telefônica para, posteriormente, receber uma chamada de voz contendo o código que permite a ativação do serviço web do aplicativo. Após esse procedimento, a mensagem fica gravada na caixa postal das vítimas.

Para hackear os celulares, o invasor disparou várias ligações para o número alvo com o objetivo de que a linha telefônica ficasse ocupada. Com esse procedimento, que ludibria o aplicativo, a ligação com o código de acesso ao serviço web do Telegram acaba sendo direcionada para a caixa postal da vítima. Concluída essa etapa, é feito o acesso à caixa de postal do celular para se obter o código que permite entrar na conta do Telegram por meio de uma página da internet.

Em depoimento, Delgatti afirmou que invadiu celulares de autoridades entre março e maio de 2019, e que o primeiro alvo foi o promotor Bombardi. O investigado disse, ainda, que em 12 de maio, procurou a ex-deputada federal e ex-candidata a vice-presidente Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), para pedir o contato do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil.

Walter Delgatti Neto foi preso na Operação Spoofing — Foto: Reprodução

Walter Delgatti Neto foi preso na Operação Spoofing — Foto: Reprodução

Manuela declarou em nota que, nesta data, realmente repassou o contato de Greenwald a um hacker que havia invadido o celular dela.

Em entrevista ao G1, o promotor Marcelo Bombardi afirmou que recebeu em junho um SMS com um código do Telegram e que, por isso, acredita que a invasão ocorreu naquela data, e não em março, como sugere o depoimento de Delgatti.

“Ele [Delgatti] disse que eu fui o primeiro a ser invadido e [que], a partir da invasão do meu smartphone, da minha conta de Telegram, teria acessado as demais contas, chegando a todas as autoridades. Mas eu não tenho nenhum SMS de março no meu telefone”, disse o promotor.

“Não sei se ele mente ou não mente. Eu acho que a perícia da PF vai apontar se ele fala a verdade ou não. Mas, pelo que eu tenho no celular, aparentemente, ele falta com a verdade ao falar que eu fui o primeiro a ser hackeado.”

Promotor de Araraquara recebeu mensagem com o código do Telegram em 1º de junho — Foto: Reprodução

Promotor de Araraquara recebeu mensagem com o código do Telegram em 1º de junho — Foto: Reprodução

Bombardi disse que desconsiderou a mensagem por achar que era golpe.

“Eu vi, nesse SMS, que existia um link. Eu já não usava o Telegram e simplesmente ignorei, porque achei que era um golpe, uma forma de intrujar vírus no aparelho, e não imaginei que pudesse ser a reinstalação do Telegram por alguém.”

O promotor ainda não foi comunicado oficialmente sobre a invasão e não teve acesso ao suposto material que Delgatti teria hackeado de seu celular. Ele mantém a atuação na promotoria de Araraquara e acredita que seu nome foi usado pelo hacker para montar uma versão dos fatos para a PF.

“Talvez, com a situação do processo crime que existiu – esse é um fato: eu o processei e ele foi condenado –, ele pode ter achado uma suposta razão para me hackear, para dizer que eu fui o primeiro. Usando [o crime] para me envolver, denegrir a minha imagem, me usar como história cobertura para encobrir uma situação. Mas tudo isso são ilações, a gente não sabe nada até agora”, afirmou.

Promotor denunciou Delgatti

Em abril de 2017, Delgatti, que é de Araraquara e morava em Ribeirão Preto, foi preso com comprimidos de um medicamento com venda controlada, além de uma carteirinha de estudante de medicina da Universidade de São Paulo (USP) com a foto dele e dados pessoais de outra pessoa.

Bombardi ofereceu a denúncia contra ele, que foi condenado a dois anos de prisão por tráfico de falsificação.

No depoimento à PF após a prisão pelo vazamento de mensagens, o hacker declarou que Bombardi cometeu atos ilícitos naquele processo contra ele por tráfico de drogas e falsificação. Contou ainda que obteve conversas em que o promotor cometia irregularidades no exercício de sua função. Bombardi nega.

Delgatti e outross três estão presos no Distrito Federal por suspeita de invasão de celulares de autoridades. O inquérito para investigação do caso foi aberto após a divulgação de conversas atribuídas ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, e a procuradores da Lava Jato no período em que Moro era juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Segundo o Intercept, as conversas mostram que Moro orientou a atuação dos procuradores. O ministro e a força-tarefa negam.

*Com informações do A Cidade ON/Araraquara

Veja mais notícias da região no G1 Araraquara e São Carlos.

Comentários