WSL Finals: Gabriel Medina dá show em final histórica contra Filipinho e é tricampeão mundial

Medina, que liderou o ranking mundial durante praticamente toda a temporada regular, entrou nas águas de Trestles como o grande favorito e confirmou seu favoritismo com um show na decisão, sem dar chances para Filipe e garantindo o título com vitória por 2 a 0 na melhor de 3 baterias.

As baterias

A disputa do masculino começou com Conner Coffin, dos Estados Unidos e 4º colocado do ranking, eliminando o número 5 Morgan Cibilic, da Austrália, com um placar de 15.00 a 9.84 no somatório das ondas. Com isso, o americano foi para as quartas de final enfrentar Filipe Toledo.

Nas quartas, tivemos muita emoção, com o americano começando melhor e abrindo boa vantagem ao somar duas ondas, sendo uma delas um 8.50, enquanto o brasileiro sequer havia conseguido surfar a sua primeira. Quando Filipinho fez sua primeira onda, veio o primeiro show com um 8.40 que o recolocou na disputa.

Quando Conner Coffin liderava por 14.33 a 8.50, o relógio da bateria ia chegando perto do fim e nenhuma onda aparecia para o brasileiro, parecia que a disputa havia acabado. Na reta final, porém, Filipe conseguiu surfar sua segunda onda, deu um áereo espetacular e fez 8.17 para somar 16.57 e garantir, ao menos, o título brasileiro.

Na semifinal, Filipinho teve pela frente Ítalo Ferreira e o atual campeão olímpico começou somando 5.50 nas duas primeiras ondas que surfou. Toledo, então, respondeu com uma bela onda e um 7.33 que lhe deu a liderança provisória.

Na sequência, Ítalo achou outra excelente onda e fez 7.27 para retomar a liderança.

Filipinho, porém, estava inspirado e conseguiu um 8.50 e um 7.47 para somar 15.97 contra os 12.44 do atual campeão olímpico e se colocar na final contra Gabriel Medina.

A decisão foi um capítulo a parte e pura insanidade. Os dois brasileiros começaram trocando ondas espetaculares e levaram o público ao delírio, com Filipinho abrindo vantagem.

Gabriel Medina, porém, demonstrou por que liderou o ranking durante todo o ano e, primeiro, virou a bateria com uma onda espetacular.

Na sequência, Filipe conseguiu uma boa onda, mas que foi imediatamente respondida por Medina com um aéreo incrível que lhe rendeu uma nota 9.

Na reta final, Filipe ainda conseguiu uma boa onda, mas não o suficiente para virar a bateria, vencida por Medina por 16.30 a 15.70.

A segunda bateria começou, novamente, com os dois trocando boas ondas.

Na sequência, porém, Medina emendou uma sequência espetacular de aéreos e tomou a liderança.

Minutos depois, a bateria foi interrompida por conta de um tubarão que foi avistado nas águas de Trestles. Depois de 15 minutos, a ação foi retomada.

Quando voltou, Medina ainda conseguiu dar mias um show e tirou 9.03 com um backflip espetacular e a manobra mais bonita da WSL Finals.

Comentários